A importância do brincar [a brincar é que a gente se entende]

7.3.14


Se eu tivesse de escolher a coisa que faz toda a diferença na forma como educamos os nossos filhos, a coisa seria o vínculo. Já aqui e aqui escrevi sobre o assunto e hoje volto a ele na forma de brincadeira, mas a falar muito a sério. Por isso não te vás já embora porque é coisa importante esta que te vou contar.

Sim, eu sei: tu até podes não gostar de brincar. E tens mais que fazer quando chegas a casa, no final do dia. E por isso tens de meter na cabeça que [sobretudo se tens filhos pequenos] eles vão querer mesmo brincar contigo, quer tenhas tido um dia top ou não. Pois... :)

E por isso hoje deixo-te em tópicos o que tens de saber.

1.     É a brincar que a criança aprende a comunicar, a experimentar e a conhecer o mundo e as suas dinâmicas. Agora que sabes disto, o que vais escolher? Brincar ou não brincar?
2.     Brincar é divertido – vindo de mim é estranho [eu não gosto de brincar]– e eu confesso que tenho de me lembrar que é – é só começar a participar na brincadeira. Confia em mim – eu sei disso por experiência – mas sim, tenho mesmo de forçar-me.
3.     Brincar aproxima as pessoas e é das melhores formas de criar vínculo. E o vínculo é determinante para a parte da autoridade e obediência porque ninguém obedece se não se sentir lincado ao outro. Ponto final. Parágrafo.
4.     Brincar ao fazer de conta ajuda a criança a colocar-se em situações que ela deseja enfrentar e a lidar com os seus medos [ah pois é, já tinhas pensado nisto?]
5.     Ao brincar estamos a aumentar o vínculo com o nosso filho e é o vínculo que lhe dá a sensação de segurança e previne algumas ansiedades.
6.     Ao brincar ajudamos o nosso filho a sentir-se amado e é uma forma muito rápida e efectiva de responder às necessidade de pertença, segurança e afecto deles.
7.     A TV é para descansar o corpo e a cabeça. Brincar é uma coisa física, envolve cabeça e corpo. E não os coloca mais excitados – au contraire – quando eles ‘exorcisam’ as tensões todas é meio caminho andado para começarem a desacelerar...
8.     Brincar faz rir e rir juntos é fundamental!

E brincar aos maus e a coisas mais agressivas? E com pistolas?
Confesso que a ideia de pistolas, assim de repente, me dá medo mas eu também sei que é fundamental que as crianças experimentem as coisas para lhes tirar o valor. Na verdade, não há mal em brincar aos maus, não há mal em jogar com armas a fingir. Porquê? Porque quando proíbimos estamos a passar a mensagem que é mau sentir raiva, medo e não é mau sentir isso tudo porque faz parte da vida. Os sentimentos não têm qualquer tipo de moralidade – o que nos define são as acções e decisões que tomamos. Brincar aos maus faz parte do crescimento. Sentir raiva e medo também. E é importante que a criança possa exteriorizar tudo isso enquanto brinca. Ela está também a colocar em uso os valores que vai adquirindo contigo. O bom e o mau são valores. E ficas com uma ideia de como é que esses valores têm valor para ela.


E então, vais continuar aí sentada? Junta-te ao teu filho e entra no mundo dele.

7 comentários:

  1. Tal como tu, brincar não é muito a minha onda. Mas lá me concentro e a coisa flui. E sim, é fundamental e ele adora! :)
    Bom fim-de-semana!
    Beijinhos <3

    ResponderEliminar
  2. Yes Boss!!!
    Tenho que fazer mais isso! Também tenho preguiça de brincar.... Mas vou fazer isso!

    ResponderEliminar
  3. Obrigada Magda, por falares um pouco sobre brincar aos maus e com pistolas. É o que o meu filho gosta de brincar e eu ando sempre a ver se o desvio para outro lado porque detesto ver esse tipo de brincadeira. Já estive pior mas com o tempo percebi que não era por proibir que a situação acalmava. Então tentei ceder um pouco com alguns limites. Brincamos a fingir lutas e com espadas (de esferovite!) desde que não hajam brinquedos que pareçam verdadeiras pistolas. Nunca lhe comprei nenhuma e espero não vir a comprar porque não gosto mesmo nada de ver.

    Bjs e obrigada por me tranquilizares um pouco.
    Anabela

    ResponderEliminar
  4. Dos textos mais interessantes que ja li na blogosfera. Ora eu adoro brincar mas e muito giro brincar com os filhos dos outros, sera que um dia se tiver filhos vou ter a mesma paciencia? Depiis de ler isto parece me ser fundamental encontrar tempo por dia para brincar, para um crescimento saudavel da crianca. Mas tao importante sera brincar em grupo como brincar sozinho e imaginar nos em mil personagens. Hmmmmm brinquei tanto em miuda, devo ter sido uma crianca feliz hehe

    ResponderEliminar
  5. Ando a ler o livro "15 min com o seu filho" de Joaquim Quintino Alves, que foi aconselhado num dos workshops da Magda e aprendi a brincar quando pensei que não sabia, bem o que eu aprendi foi perder a vergonha de brincar...brinco com a minha filha em qualquer lado e fazemos palhaçadas e ela ri-se imenso e eu adoro-a por isso e ela gosta de mim por isso mesmo. Já um amigo meu disse que eu não sabia estar, porque estava a brincar em pleno shopping, mas nessa altura lembrei-me do que li e percebi que já não me incomodava. O que importa é como me sinto com ela e a relação que criamos. O que dizem os outros não tem importância.

    ResponderEliminar
  6. A Mararida ainda só tem 11 meses, mas brincarmos a tudo o que a faz sorrir: percorremos a casa a descobrir cores e texturas, jogamos à bola, ao esconde esconde, lemos livros e batemos com coisas que façam barulho e cantamos muito. Quando ela está acordada é tempo de brincar, mesmo a vestir, trocar a fralda e a tomar banho. E isso faz-me muito feliz!

    ResponderEliminar
  7. E quando tu achas que nem brincas com eles. Que nem estás muito tempo com eles, e eles respondem que uma das coisas que a Mãe faz melhor é brincar com eles??!?
    Logo eu...que nem sou de brincar. :)

    ResponderEliminar

Obrigada por leres e por comentares!
Todos os comentários são bem-vindos excepto os que 'berram alto'...Esses são, naturalmente, eliminados!

linkwithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Share