Como sobreviver ao Natal em 8 pontos fundamentais

10.12.13
Natal. Tempo de paz e amor. 
De alegria. De crianças a brincar e de gargalhadas no ar.

E pensas tu 'Só se for no teu filme, porque no meu são birras, é andar a fazer as asneirolas que o primo faz, e é desejar que finalmente voltem à escola.'

Se pensaste isto tudo, junta-te ao clube. E pega numa taça de chá e senta-te a ler este post sobre como sobreviver ao Natal.


1. Baixa as tuas expectativas
A problema é que, desde que somos pequenos, vendem-nos o Natal como sendo uma época maravilhosa, de paz e amor and so on. Pois... e é. Só que também é verdade que pode ser uma altura de birras, constipações, stresses e frustrações. Por isso baixa as expectativas. Mesmo! É possível que o teu filho fique com uma otite. É possível que se pegue com o primo. É possível que te trate de feia na frente de toda a gente enquanto lhe serves bacalhau com batatas cozidas. É possível que sintas que toda a gente está a olhar para ti. É, é muito possível. Por isso, baixa as expectativas e lembra-te que, embora seja a celebração da família e uma época supostamente mágica, é também uma altura do ano, à semelhança das férias grandes, de grande stress e de ser tudo, menos como nos filmes.

2. Aumenta o vínculo
É frustrante e ficamos triste por passarmos pela altura do Natal com tanta tensão, cansaço e sem realmente termos aproveitado como deveríamos [e até na ansiedade, por vezes, que a escola recomece].
Eu deixei aqui o meu calendário do advento e já num outro post tinha dito que este ano está fora de questão fazer todas as tarefas que lá coloquei. No meu caso é difícil - com um bebé pequenino e que está a aprender a andar não preciso de te contar como é a história, pois não? Então não faz mal. Brincamos com bolas, colocamos música, dançamos. Eu conto as histórias do Natal, desenhamos e estamos juntos.
Sabes, estar ligado à família é isto. É sentirmo-nos bem uns com os outros. Com vontade de estarmos juntos e orgulhosos por pertencermos a este nosso clã. Por isso é que eles dizem que o Natal é quando um homem quiser.

3. Diz que este ano não ofereces prendas
Não digo de todo, como a Rita, mas que decidiste concentrar as prendas nas crianças.
A lista deve ficar muito mais curta. E isso tira-te a canseira de comprar, comprar, comprar.
Eu gostava de ter a coragem de dizer às pessoas que os meus filhos não precisam de nada, mas bem sei que estaria a tirar o prazer de oferecer, a quem oferece. 
Mas um dia ganho coragem e digo: se quiseres dar uma prenda de Natal fixe, passa nesta loja. O presente dele está escolhido e podes deixar uma parte [e eu não quero saber se foram 5 euros ou 50]. Um dia será o dia! Era no Natal e nos aniversários. E isso pouparia recebermos coisas que não dão jeito, que não têm significado e que possivelmente ficarão arrumadas a um canto.
Não ter de andar às compras é maravilhoso, não achas?

4. Tira férias
Entre o Natal e o Ano Novo, os pais de crianças pequenas deveriam ser obrigados a tirarem férias. É nessa altura que se aproveita mais o Natal, e se desacelera. E se descansa. E ainda há pão doce e bolo rei.

5. Folga aos feriados e fins-de-semana
Se os teus filhos ainda são pequeninos, é natural que não se lembrem de folgar durante o Natal [nem nos outros feriados ou fins-de-semana] - e isso quer dizer que mesmo que te deites tarde, é muito possível que continuem a madrugar. Se der, um dia ficas tu a dormir mais um bocadinho e no outro fica o outro adulto da casa. Se não der, volta ao ponto 4 [põe férias! E procura manter os ritmos do ano todo - com excepções [é Natal!] mas ao ires ao encontro dos ritmos deles, consegues evitar choros de cansaço e excitação

6. Explica-te e explica-lhes
É bom que lhes contes o que vai acontecer e o que é suposto que eles façam. Não lhes peças para se portarem bem que isso é vazio - explica, tim-tim por tim-tim, que tipo de comportamento é que esperas deles. E quando tiveres de os chamar à atenção faz isso de uma forma discreta e nunca humilhante. É mais fácil pegares neles, ires para uma sala tranquila e ajudares a acalmarem-se do que mandares dois berros na frente de toda a gente. Right?

7. Aproveita a tua família
É muito comum os pais que trabalham comigo nas sessões de coaching e até nos workshops dizerem que os avós precisam de coaching. E invariavelmente lá vem, mais cedo ou mais tarde, um caso que se refere à noite de Natal ou a um jantar de família em que a mãe ou o pai os tratou como uma criança e os desautorizou na frente das outras pessoas.
E eu estou convencida que isto, no Natal, vai continuar a acontecer com alguma frequência. Porque, na verdade, é uma memória que está na cabeça dos mais velhos. As pessoas crescem, é verdade. Eu não sei se é da magia do Natal, o que eu sei é que, em termos de relacionamentos, os pais são os pais, e os filhos, continuam a ser os pequeninos, mesmo do alto dos seus 40 anos. Por isso aproveita enquanto são vivos - e neste Natal vê lá se na tua família é assim como disse.

8. Põe as coisas em perspectiva e cada macaco no seu galho 
Lembra-te que no final do dia é com eles que vais para casa. Sinceramente, não interessa o que o tia A ou a avó B vai pensar de ti ou dos miúdos. Eles não são os teus filhos. Quem é que é mais importante? Quem é?
E é quando te lembras disto tudo que acontece a magia do Natal! 
Estás pronta?
Imprime estes 8 pontos e lê-os antes de ires celebrar o Natal.

Boas festas!



2 comentários:

  1. Até fiquei meia assustada a ler alguns destes pontos... :)
    Será assim tão caótico em algumas casas? Na minha felizmente não é... O que às vezes acontece, e já aconteceu é um deles ficar doente... mas paciência :) Desde que estejam devidamente medicados, estão em casa, no quentinho e cheios de mimo... Os natais lá em casa têm sido de muita alegria, as crianças brincam, muito, correm e saltam como todas as crianças, às vezes são muitos outras vezes são poucos mas fezlimente não tem havido birras. Eles estão felizes, querem abrir as prendas... não comem tão bem, paciência, querem abrir as prendas antes da meia noite? Abrem-se! O Natal é para eles, e para nós os adultos estarmos sentados à mesa a conversar e tem sido assim desde que eu era criança... eramos 8, eu e os meus primos, passavamos estes dias a descer as escadas dos meus avós de cabeça, tipo escorrega, e subiamos tudo de volta a correr para voltar a descer, e faziamos isto vezes sem conta. Os adultos conversavam à mesa e nós furavamos os presentes par ver o que eram LOL Não me lembro de zangas, nem birras, nem castigos, só brincadeira, e nunca aguentavamos esperar pela meia noite.... :)

    ResponderEliminar

Obrigada por leres e por comentares!
Todos os comentários são bem-vindos excepto os que 'berram alto'...Esses são, naturalmente, eliminados!

linkwithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Share